Educar faz a diferença

“Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo”. A frase de Paulo Freire, um dos maiores educadores e filósofos brasileiros, retrata bem o que o Instituto Votorantim acredita: que nós, seres humanos, temos o papel de promover a educação para todos, por intermédio das nossas ações do dia a dia.

E é por reconhecer a importância deste tema para a formação de um mundo mais próspero, que fizemos dele o mote da comemoração de 100 anos da Votorantim, que junto com suas empresas investidas e o iV, reafirmou o compromisso em melhorar a Educação do país, ampliando o já exitoso Parceria Votorantim pela Educação (PVE). De acordo com a medição dos índices oficiais, nos municípios em que está presente, o programa gera uma aceleração média de 35% na melhoria do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) no Ensino Fundamental I e 45% no Ensino Fundamental II, em relação às demais localidades.

100 anos, 100 municípios

A princípio, o objetivo era que, em 2018 – ano do centenário da Votorantim –, o projeto alcançasse 100 municípios, meta que foi atingida com sucesso, chegando a 104 localidades. E para que o PVE esteja em constante aprimoramento e evolução, o iV realiza o Prêmio PVE, valorizando o engajamento e o compromisso dos diferentes agentes de transformação envolvidos nas ações do programa.

Com isso, a ideia é dar visibilidade às boas e diferentes práticas desenvolvidas pelos municípios que a Votorantim atua, para, assim, disseminar e inspirar outros municípios a buscarem a melhoria contínua, reverberando positivamente na aprendizagem daqueles que mais precisam.

A edição 2017 do Prêmio homenageou profissionais em quatro categorias. As educadoras vencedoras do Destaque Nacional Fabíola Porto, Vicência Alves e Silésia Xavier, ligadas à Secretaria de Educação do município de S. G. do Abaeté ganharam uma viagem formativa internacional de 10 dias.

As ganhadoras nas categorias Gestão Escolar, Gestão Educacional e Mobilização Social – dos municípios de Esmeralda/RS, Maragogipe/BA e São Félix/BA, respectivamente –

foram contempladas com uma viagem formativa de 7 dias em São Paulo.

 

Aprendendo com os melhores

 

O destino onde foi ministrado o 7° Curso Internacional de Gestão Escolar para as vencedoras do Destaque Nacional foi Finlândia, país que é mundialmente reconhecido por seu sistema educacional de qualidade. Segundo o Fórum Econômico Mundial, a educação primária finlandesa é a melhor do mundo, e a universitária se encontra em terceiro lugar.

As secretárias de educação do município mineiro fizeram o curso na Universidade de Helsinki, foram a visitas guiadas a escolas para compreender na prática a realidade da educação finlandesa e assistiram a uma palestra sobre a “Reforma do Currículo Finlandês” (envolvendo professores, alunos, pais e a especialista em educação, Eeva Penttilä) e outra sobre “O papel do município como provedor de educação de qualidade”. Além disso, se encontraram com o Secretário Municipal de Educação e visitaram à embaixada do Brasil para falar sobre a perspectiva de aproximação da Educação entre Brasil e Finlândia.

A coordenadora do PVE, Anna Christina Nascimento, acompanhou os vencedores nessa jornada de imersão no sistema educacional finlandês. “Ao final de cada dia, nós nos reuníamos para fazer um ‘debriefing’, debatendo e fazendo um balanço de tudo o que vimos e aprendemos em cada experiência”, explica.

Sobre os programas e projetos educacionais aplicados lá e que poderiam ser reproduzidos aqui, a coordenadora ressalta sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), um documento normativo para as redes de ensino e suas instituições públicas e privadas que é referência obrigatória para elaboração dos currículos escolares e propostas pedagógicas para os ensinos infantil e fundamental.

“Inspirados no esquema adotado na Finlândia, nós aqui estamos em meio ao processo de implementação dessa base curricular, analisando como levar isso para dentro das escolas, os detalhe da construção do projeto pedagógico e a adequação do ambiente de acordo com a faixa etária que é muito importante no processo educativo. Outro ponto importante é quanto à autonomia dos professores em sala de aula e sua responsabilidade no processo formativo do aluno”.

Sobre a expectativa da Educação no país em meio ao cenário político, Anna é enfática: “nosso desafio é como podemos apoiar as comunidades nesse processo formativo adaptado ao contexto local, considerando a BNCC”. Além disso, Anna cita a existência de uma mudança de escopo: uma Educação menos conteudista e mais focada em formar cidadãos.

 

Saiba mais sobre o PVE