Fazer o bem, só faz bem

Agir em prol de um futuro melhor.  Essa é uma das motivações que impulsionam os agentes mobilizadores de projetos realizados pelo Instituto Votorantim. Tão fundamentais entre o plano e o resultado, essas pessoas, que decidiram fazer a diferença doando parte de seu tempo, permitem efeitos positivos notáveis em seus locais de ação, assim como em suas próprias atitudes e humor.  Isso porque, segundo o médico neurocientista, professor e pesquisador na área de Neurociência do Comportamento e especialista em Desenvolvimento Comportamental, Jô Furlan, há uma explicação na premissa fazer o bem, faz bem. “Pesquisas mostram que a doação é muito mais benéfica para o agente da ação do que para quem recebe. Pois, acontecem experimentações de emoções construtivas e saudáveis como alegria, felicidade e espírito de solidariedade que liberam em nosso organismo a serotonina e a dopamina. E assim, sentimos uma maravilhosa sensação de bem-estar e realização”, explica.

Essas substâncias ajudam a conter a depressão e outros distúrbios de humor, enxaqueca, sintomas da TPM, melhora sono, apetite e funções intelectuais. “Quem recebe, experimenta a gratidão e, quem doa, experimenta a felicidade. Essa experiência pode ser tão intensa e prazerosa, podendo ser capaz de liberar até mesmo a endorfina  o neurotransmissor do prazer, que pode ter um efeito viciante”, afirma.

Inspire-se!

Ao ser um mobilizador você:

  • Faz a diferença real;
  • Aumenta sua rede de contatos (muitas vezes, cria laços);
  • Pode descobrir uma capacidade/ talento ainda inexplorado;
  • Desenvolve habilidades sociais, tais como sororidade, lidar com o público, agir diante de situações inesperadas e lidar com desconhecidos;
  • Sai de sua zona de conforto e conhece outras realidades;
  • Aumenta autoestima e autoconfiança.