Fomentar a cultura

A democratização do acesso à atividades culturais é uma importante ferramenta para o desenvolvimento educacional e este é um assunto de relevância para o Instituto Votorantim (iV). Uma vez que, estímulos diversos auxiliam na absorção de conteúdo, provocando maior autonomia e a criação de um pensamento crítico sobre temas atuais da sociedade desde os primeiros contatos ainda na infância.

Para impulsionar este cenário, o iV conta com o programa Parceria Votorantim pela Educação (PVE), que tem como objetivo contribuir para a melhoria da educação pública nos municípios onde há operações da Votorantim – em parceria com as prefeituras e secretarias municipais de educação e participação de gestores educacionais, escolares e mobilizadores (saiba mais). E também apoia iniciativas e instituições comprometidas com a cultura, como a Fundação Bienal de São Paulo, realizadora da Bienal de Artes de São Paulo. O evento é considerado o mais importante de arte contemporânea e moderna do hemisfério sul e seu acesso é gratuito durante os três meses de duração.
Em conversa com a Fundação Bienal é possível saber mais sobre esta parceria. Confira:

Desde quando o iV apoia a Bienal?
Fundação Bienal de São Paulo – A Votorantim é mencionada pela primeira vez como apoiador da Fundação Bienal de São Paulo no catálogo da 17ª Bienal, em 1983. Mas é a partir da 4ª Bienal de Arquitetura de São Paulo, realizada em 1999, que a Votorantim passa a contribuir de maneira mais consistente com as ações realizadas pela Fundação. Desde a 29ª Bienal, em 2010, o Instituto é parceiro constante da Fundação, tendo renovado seu apoio a cada nova edição do evento até a 33ª Bienal, que será realizada em 2018.

De que maneira o iV contribui para as ações?
Fundação Bienal de São Paulo – A Fundação Bienal de São Paulo é uma instituição pulsante que idealiza e coloca em prática iniciativas artísticas, educativas e sociais. Além de realizar a Bienal de São Paulo, suas atividades se estendem durante todo o ano dentro e fora do país. Sem vinculações político-partidárias ou religiosas, é uma instituição privada sem fins lucrativos que quer trazer o novo, provocar o debate, educar o olhar com inquietações, propostas e perguntas sempre renovadas. A preocupação da Votorantim com o fomento e o incentivo a atividades educativas vem somar forças à intenção da Fundação Bienal de formar uma rede de reflexão entre professores das redes pública e privada, ONGs, instituições culturais e profissionais como artistas, críticos de arte, filósofos e sociólogos, criando espaços de debate entre diferentes públicos acerca das potencialidades e dos desafios do binômio educação e arte contemporânea.

Por que esta parceria é importante?
Fundação Bienal de São Paulo – O processo de democratização do acesso à cultura vem se fortalecendo no Brasil nas últimas décadas, e podemos afirmar que as parcerias estabelecidas entre instituições de interesse público e empresas privadas têm contribuído para a viabilização de eventos culturais e educativos de qualidade, acessíveis ao grande público. Além disso, os gestores da Votorantim sempre têm um compromisso real com a responsabilidade social e desempenham, portanto, um importante papel entre o grupo de empresas parceiras da Fundação Bienal. A primeira Bienal de São Paulo foi realizada em 1951. Foi a primeira grande exposição de arte contemporânea no hemisfério sul e é, até hoje, a mais importante de seu continente. A Bienal é pautada por questões inovadoras e seu protagonismo no campo artístico é amplamente reconhecido. A cada edição, novos conceitos são propostos, sem perder de vista os objetivos e missões da Fundação Bienal, que são, sobretudo, a formação de público e de olhar, a democratização do acesso à cultura, provocar o debate e o diálogo com outros campos do pensamento e do conhecimento, além do fomento à arte contemporânea em diversas vertentes, suportes e modalidades.

O que já trouxe de resultados?
Fundação Bienal de São Paulo – São muitos os dados que demonstram o potencial que a Bienal possui de agregar pessoas, promover reflexões e estimular a economia. A Bienal de São Paulo movimenta o cenário local e internacional: a última mostra foi notícia em mais de 30 países, gerou mais de 1.600 matérias publicadas em 500 veículos de comunicação, o que representa mais de R$ 30 milhões em mídia espontânea. O evento trouxe ainda mais de R$ 300 milhões em turismo à cidade de São Paulo. Desde a sua primeira edição foram produzidas 32 Bienais, com a participação de mais de 160 países, 67 mil obras, 14 mil artistas e 8 milhões de visitantes. Sua última edição recebeu cerca de 900 mil visitantes, e mais de 95 mil pessoas participaram de ações educativas. Desde a 2ª Bienal, em 1953. o programa educativo é parte integrante da mostra, com projetos desenvolvidos a cada edição do evento em consonância com as preocupações curatoriais. As ações educativas contemplam diferentes faixas etárias e perfis: desde profissionais da cultura, professores e educadores a agentes comunitários, estudantes e o público em geral, promovendo diálogo e disseminando conteúdo entre públicos diversos.

Saiba mais sobre a Fundação Bienal de São Paulo.