O poder do voluntariado na criação de valores sociais e humanos

A Votorantim carrega em seu DNA questões sociais que definem o tipo de empresa que almeja ser.

E a cada dia segue firme em seu propósito, trabalhando em prol de uma sociedade mais justa, investindo em atividades que melhorem a qualidade de vida, a educação e a cidadania da população, começando internamente, mobilizando seus funcionários e parceiros para a realização do Desafio Voluntário.

A edição 2019 está chegando e, junto com ela, vem uma boa reflexão sobre os números alcançados pela iniciativa no ano passado. Embalado pela comemoração do 100° aniversário da Votorantim, o Desafio Voluntário 2018 contou com a participação de 5.263 pessoas (52% funcionários e 48% convidados), número 9,7% maior comparado a 2017, que fizeram 12.609 horas de trabalho voluntário para realizar um total de 1.248 ações.

Quase 90% do total das atividades foram voltadas à educação em municípios atendidos pelo PVE e focadas em atividades como contação de histórias, apresentações musicais e de teatro e campanhas de arrecadação de livros e materiais escolares. Ao todo, foram coletados 31.346 produtos e 103 escolas e 32 instituições foram impactadas.

Benefício mútuo

A ação, além de promover uma competição saudável, estimula a integração de funcionários e convidados com as comunidades onde estão as unidades de negócios. Participaram 78 unidades das empresas investidas da Votorantim, incluindo duas no Peru, e um dos destaques da edição foi a participação dos líderes, que se envolveram diretamente nas atividades. Os participantes eram constantemente estimulados e apoiados por meio do sistema de pontuação e do serviço de atendimento Socorro Voluntário, disponível no WhatsApp, e do grupo Voluntários Votorantim, no Facebook.

Para Raquel Leite, analista sênior de Capital Social e Institucional do Instituto Votorantim, os resultados mais significativos desta edição comprovaram que a forma diferenciada de incentivar as pessoas a se engajarem foi uma estratégia acertada. “Podemos comemorar a maturidade do voluntariado corporativo e, para 2019, faremos uma reflexão sobre o modelo com o intuito de promover melhorias e deixá-lo mais fácil”, comenta.

Foram criadas categorias específicas, além do ranking por unidade de negócio, para valorizar os destaques de empregados, convidados, grupos de mobilização do programa Parceria Votorantim pela Educação (PVE), escolas e instituições. “Oferecer um reconhecimento diferenciado foi uma das mudanças da estratégia alinhada à área de educação do Instituto Votorantim para incentivar ainda mais as pessoas a participarem das ações e para recompensar quem já trabalha com esses temas, caso dos grupos de mobilização”, explica Raquel.

Na categoria “Empregados”, os dez primeiros colocados ao final da competição ganharam pontos no programa de benefícios DOTZ e puderam trocar por prêmios na plataforma. As escolas, instituições e grupos de mobilizadores receberam prêmios em dinheiro. As unidades vencedoras ganharam troféus e os convidados, certificados de participação.

O primeiro lugar nas categorias de unidades e grupos de mobilização foi ocupado pela Nexa Resources. A lista completa dos vencedores pode ser conferida aqui!

Engajamento garantido

Segundo Alice Mascarenas Castilho, analista de Responsabilidade Social na Nexa (unidade Três Marias), os voluntários mais ativos puderam entender melhor o programa e motivar outras pessoas a participar. “Houve bastante incentivo e chegou um momento em que a adesão era espontânea: um contagiava o outro. A nossa meta era realizar 900 horas de voluntariado, mas alcançamos 2,8 mil. Visitamos todas as escolas da cidade para fazer um diagnóstico e isso já proporcionou uma grande aproximação com o universo da educação. Fizemos desde reforma de telhado, jardinagem e pintura a conserto de carteiras e janelas. Aprendemos muito com o universo da educação ao participar de uma realidade que não era a nossa. Os ganhos superaram a premiação do Desafio Voluntário”.

Para Diego de Oliveira Costa, coordenador de Mineração na Votorantim Cimentos (unidade Cuiabá) que participou pela segunda vez da iniciativa, foi enriquecedora a experiência de gerar impactos positivos para pessoas que realmente precisam. “Tiramos um tempo da vida pessoal para fazer o trabalho voluntário, mas era divertido e ainda fizemos novas amizades e conhecemos pessoas de bem. Além disso, foi gratificante ver que nós, da fábrica, conseguimos incentivar moradores a também se engajarem e, com isso, gerar mudanças na comunidade de Aguaçu. Conseguimos unir a comunidade e mostrar o poder de fazer a diferença”.