DNA social da votorantim

Acionistas e executivos das empresas definem a essência da atuação social da Votorantim e de suas investidas

DNA é a sigla em inglês para ácido desoxirribonucleico, o nome dado a uma molécula que codifica as diversas características de cada indivíduo. Transferido metaforicamente do campo da biologia para o mundo corporativo, o conceito de DNA visa expressar a essência de uma empresa, o código que determina as suas atitudes e a sua realidade. Essa foi a ideia por trás de um trabalho que o Instituto coordenou em 2018 com o apoio de uma consultoria especializada. O resultado: um documento que explicita as diretrizes da Votorantim na área social e visa orientar e ampliar o legado construído pelos negócios das empresas investidas.

Para o diretor-presidente do Instituto Votorantim, Cloves Carvalho, a definição do DNA Social ganha relevância pelo momento da empresa e as perspectivas futuras. Desde 2015, a Votorantim atua sob um novo modelo de governança no qual a Votorantim S.A tem o papel de gestora do portfólio de negócios. Cloves destaca que esse papel pressupõe tomar decisões de investimento e desinvestimento. “A partir do momento em que você tem essa referência [do DNA], fica mais fácil diagnosticar o que é possível agregar aos novos investimentos do ponto de vista social e o que fazer. Nos desinvestimentos, o DNA também serve de referência sobre o que você está vendendo”.

Entre os temas abordados no documento, destacam-se:

O novo documento integra o DNA da Votorantim, que já continha diretrizes de gestão para as áreas de Finanças e Gestão de Pessoas. O processo de construção envolveu uma análise aprofundada do histórico de atuação social da Votorantim ao longo de um século de presença no Brasil, os modelos atuais de gestão da sustentabilidade na Votorantim e as perspectivas e demandas futuras. Como marcos do trabalho, foram consideradas referências internas – valores e propósitos – e externas – como os desafios sociais mundiais.

Na etapa preliminar, foram realizadas duas atividades de levantamento de informação. A primeira foi um diagnóstico sobre as práticas de atuação social (ver quadro) em 159 operações das empresas investidas da Votorantim em 11 países. Foram consultadas 136 lideranças. A segunda foi uma série de entrevistas presenciais e por telefone com cerca de 40 lideranças, entre acionistas, CEOs e diretores.

Das lideranças entrevistadas, 30 integraram o workshop que definiu a primeira versão do documento, submetido depois à aprovação e ajustes do Conselho do Instituto Votorantim e do Conselho de Administração da VSA. Finalmente, no primeiro trimestre de 2019, o DNA Social da Votorantim foi aprovado pelo Conselho de Administração da Hejoassu, controladora da VSA.

DIAGNÓSTICO GLOBAL DA ATUAÇÃO SOCIAL

Eixos temáticos: investimento social; voluntariado; programa de visitas; estrutura para relacionamento comunitário; fórum de diálogo; relacionamento com stakeholders; recebimento de queixas; reclamações e elogios; e gestão de conflitos.

156 unidades operacionais consultadas de 8 empresas: Votorantim Cimentos, Votorantim Energia, Nexa, Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), Fibria, PazdelRío, Legado Verdes do Cerrado e Acerbrag.

136 líderes de operação consultadas