Guia do voto

Aplicativo elaborado pela Votorantim valoriza o exercício da cidadania e conscientiza sobre a importância da participação ativa na hora de escolher os representantes

Desde a promulgação da Constituição de 1988, que deu a todos os cidadãos brasileiros com idade acima de 16 anos o direito de escolher os seus representantes, muitos capítulos foram escritos na história política do país. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), durante as eleições de 2018, participaram dessa escolha 147,3 milhões de eleitores localizados nos 5.570 municípios do país e em 110 nações do exterior.

Cada processo eleitoral é uma oportunidade de aprendizado sobre a importância de fazer uma escolha consciente na qual o voto se firma como instrumento de transformação da sociedade. Tendo ciência do seu potencial para colaborar com esse processo, a Votorantim S.A. contou com o Instituto Votorantim para realizar um projeto inovador: o Guia do Voto, apresentado nas versões de aplicativo para celular, site e impresso, com informações que visam promover a reflexão dos eleitores.

O conteúdo foi desenvolvido em parceria com Humberto Dantas, doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP) e diretor do Movimento Voto Consciente, de forma totalmente apartidária. “Quando a ideia surgiu, no início de 2018, o público-alvo eram os quase 40 mil empregados, mas, quando iniciamos o projeto, percebemos que a publicação poderia despertar o interesse e ser útil para um público muito maior”, conta Raquel Leite, analista sênior de Capital Social e Institucional do Instituto Votorantim.

Superar Expectativas

Na versão aplicativo para celular, disponível gratuitamente para Android e iOS, o alcance foi mais amplo: 184.459 downloads, quase quatro vezes mais que a meta inicial de 50 mil, e alcançou 23 estados e o Distrito Federal. Uma pequena tiragem também foi distribuída por impresso a públicos de relacionamento das empresas investidas da Votorantim.

O app é organizado em três etapas e permite ao usuário aprender mais sobre o processo eleitoral brasileiro, testar seus conhecimentos sobre os poderes executivo e legislativo, definir os temas que considera de maior relevância para o país e identificar a afinidade de posicionamento com diferentes partidos e candidatos. As informações sobre os partidos consideravam a análise das votações da câmara dos deputados; os dados sobre todos os candidatos eram do banco oficial de informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O Guia foi enriquecedor também para os profissionais das diversas empresas investidas que se envolveram na sua elaboração. Maurício Mussi, gerente jurídico e de relações institucionais da VSA, define a experiência como um grande aprendizado. Segundo ele, “foi especialmente interessante assegurar que o conteúdo do Guia do Voto se mantivesse apartidário e com neutralidade ideológica, bem como garantir a segurança das informações de navegação dos usuários, visando evitar futuros questionamentos”. Outra preocupação foi garantir a segurança das informações. Não foram coletados dados de utilização e navegação dos usuários.